CNJ mantém afastamento de juiz que tentou recolher urnas eletrônicas - Mg Noticias.net

Mg Noticias.net

Aqui você fica bem informado!

About Me

Post Top Ad

Responsive Ads Here
CNJ mantém afastamento de juiz que tentou recolher urnas eletrônicas

CNJ mantém afastamento de juiz que tentou recolher urnas eletrônicas

Share This
CNJ mantém afastamento de juiz que tentou recolher urnas eletrônicas
Foto: Agência Brasil
O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), manteve nesta terça-feira (9) o afastamento do juiz Eduardo Cubas, que, às vésperas do primeiro turno, tentou recolher urnas eletrônicas.

A decisão do juiz de Formosa (GO) seria proferida em uma ação popular que questiona a segurança e a credibilidade das urnas eletrônicas. Ele pretendia mandar o Exército recolher o equipamento.

A AGU (Advocacia-Geral da União) foi informada e pediu ao CNJ o seu afastamento. A corregedoria o afastou e, agora, o plenário do CNJ manteve a decisão. Ele tem 15 dias para apresentar sua defesa.

"Não tenho nenhuma relação com a família Bolsonaro. Tenho apenas gratidão para com a família Bolsonaro", disse Cubas a jornalistas nesta terça, acrescentando que o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) questionou a modificação das 10 medidas contra a corrupção.

A desconfiança acerca das urnas eletrônicas é tema de diversos questionamentos pelo clã Bolsonaro.

A AGU juntou aos autos um vídeo no qual o juiz aparece ao lado de Eduardo Bolsonaro questionando a segurança e a credibilidade das urnas eletrônicas - "manifestando, portanto, opinião político-partidária incompatível com a função de juiz", diz o órgão.

Cubas não explicou como foi feito o convite para gravarem vídeos juntos.

Ele disse que já fez vídeo com o senador Renan Calheiros (MDB-AL) em defesa do fim dos penduricalhos da magistratura e que não se recorda de ter feito gravações com integrantes do PT.

Magistrado do Juizado Especial Federal Cível de Formosa (GO), Cubas não atua na Justiça Eleitoral e não tem competência para decidir temas relativos à eleição, segundo a AGU.

Além isso, ele deixou de digitalizar os autos da ação popular, conferiu ao processo sigilo judicial sem qualquer fundamento legal, não intimou a União para tomar conhecimento da ação e foi ao Comando do Exército, em Brasília, para antecipar o conteúdo da decisão que daria em 5 de outubro, segundo a AGU.

Cubas disse ainda que um grupo fez apuração paralela de votos e concluiu que Jair Bolsonaro ganhou a eleição no primeiro turno. No entanto, os votos que elegeram os filhos de Bolsonaro foram computados corretamente, acrescentou.

Ele não explicou quem faz parte desse grupo que apurou os votos e nem se a totalização paralela foi feita todas as 500 mil urnas do país.
 Agência Brasil

Nenhum comentário:

Pages